9 de fevereiro de 2011

Fogo e Sangue – Entre Homem e demônio

Lutando bravamente, lutando como aço
Através das terras mais inabitadas
As almas dispersas sentirão o inferno
Through the fire and flames- DragonForce


Eu fui tudo isso que você um dia pode chamar de herói! Lutei por uma nobre causa, derramei muito sangue com minha espada, todo esse império que você pode ver ai na frente, palácios banhados em ouro, pirâmides para representar a majestade divina de um ser que nunca me deu prova de seu amor, foi tudo construído através do meu sangue e do sangue dos inimigos do Imperador! Eu não sei em que lugar das páginas de um livro chamado vida, eu me perdi. Mas eu lembro como se fosse ontem o exato momento. [.....]

Foi em uma campanha para recuperar certo tesouro onde eu, o general, coloquei meus homens à frente e desbravamos aquele pântano imundo. Bestas furiosas nos atacavam de todos os lados, mas nós resistimos, a todo terror e pesadelo, vermes gigantes, todos provaram o gosto do aço da minha espada! Foi estranho, algo sobrenatural dava força e vigor para essas criaturas do abismo. Até que depois de muito caminhar, chegamos a uma torre no centro do local, o medo pairava no coração de meus irmãos, diziam que lá era o lar de um terrível bruxo que lançou uma maldição pela ganância do nosso Imperador. Como sempre fui cético, mesmo com os temíveis Deuses, eu nunca acreditei em nada a não ser que eu consiga tocar.

Adentramos sem  problema, subi com apenas três guerreiros, depois de horas caminhando, aquela torre não parecia ter fim!A sensação era de ficar vagando por horas e horas em infinitos círculos, e quando o cansaço reinava, felizmente achamos uma porta. Era a porta do fim da torre chegando ao ultimo andar nos aposentos do “terrível” mago. Sempre fui incrédulo, como um homem sem medo. O lugar era estranho e estava todo empoeirado, existia um baú e um cajado, os homens pegaram o baú enquanto eu peguei o cajado, que possuía uma pedra vermelha, o brilho dela era encantador e poderia valer certo dinheiro. Retirei a pedra, pois esse seria meu prêmio. Quando um espectro abissal começa a tomar forma em minha frente me lembro de suas palavras como se fosse hoje:

-Consumado nessa maldição seja você guerreiro que lutou pelos seus ideais mesquinhos ajudando a construir aquele império que é o reflexo do pecado que vive dentro do coração dos homens, idealizações trazidas do coração negro pulsante de seu Imperador! Conviva com essa maldição até o fim dos dias!

Senti um golpe em meu coração. Pulsava de maneira diferente, acordei no pântano sozinho, meu irmãos me abandonaram e voltaram para a cidade traindo assim os laços de amizade. Era incrível e assustador ao mesmo tempo, uma energia estranha pulsava dentro de mim. Eu sentia Ira, eu sentia Ódio!Meu corpo inteiro doía, meus ossos pareciam moer-se, ajoelhei no chão e gritei o mais alto possível.

 Tudo estava sendo esmagado  por um tipo de força anormal, a pior das dores era tão forte que eu rasguei minha própria pele, aquilo era um pesadelo tão real.Mas agora minha consciência não tinha nem idéia do que era normal.Tudo estava uma bagunça até o momento em que eu apaguei.Minha cabeça doía muito, tudo que eu consegui observar era que me sentia com 1500kg a mais. E Minha pele mudou, adquirindo um tom avermelhado, garras, tudo e muitas escamas, eu virei uma besta, um sinônimo da maldade um Dragão!
Quando eu percebi que já não era o mesmo, perguntei duas coisas para eu mesmo. O que eu vou fazer agora? Como eu ando? Por mais ridículo que se pareça acho que andar foi a coisa mais difícil, a adaptação aquele corpo, esbarrava em qualquer arvore. Foi quando eu me cansei e tentei gritar, mas fogo saiu da minha boca, incendiando algumas arvores, o que chamou a atenção de um grupo de soldados que estavam armados caminhando em minha direção.     Eram meus amigos.

Eu tentei gritar novamente mais da minha boca só saia fogo, que foi em direção ao grupo de guerreiros. Eu estava desesperado, não queria que aquilo fosse entendido como um ataque, até que eu fui ferido por uma lança. Naquele momento eu saí do controle, não era mais eu e sim o monstro em que eu me transformei. O ódio tomou conta do meu cérebro e a ira do meu corpo, foi tudo muito fácil, naquele dia eu aprendi que humanos são fáceis de se dilacerar, com minhas mandíbulas, com as garras.

Não sobrou um pedaço inteiro ou não queimado para contar história. Depois que o frenesi da ira passou, e eu observei o rastro de destruição que causei, uma fina garoa começou a cair. Eu precisava arranjar um novo significado para essa existência o qual por sinal ainda estava muito obscuro. 



Ps: Esperem pela parte 2: Fogo e Sangue- O preço do poder!
Ps²: Primeira vez que eu to dividindo um post em várias partes, pra não ficar tão grande e tals, espero que gostem e COMENTEM por favor sua opinião é importante õ/

2 comentários:

dkschiffer disse...

Por que será que eu não me canso de ler sempre o que você escreve?Eu gosto tanto que eu leio, leio e não me cansa. Não sei por que, mas é dificil não gostar, dificil não ler, é tão bom♥
Seu bobão, trate de continuar♥

Victor Augusto disse...

O Preço do poder: Aprovado -Q