17 de janeiro de 2012

O céu de domingo

O metro se dirige até o terminal, nesse intervalo marcado por trilhos enferrujados eu ainda insisto em analisar o rosto das pessoas, mas o que me preocupa mesmo é a garoa fina que logo se transformaria em uma chuva torrencial qualquer típica do verão paulista.  

Chegando ao terminal desci e por um momento esqueci: do rosto das pessoas, de analisar a vida minha e dos outros e principalmente de todos meus problemas, só tinha em mente minha longa jornada até em casa.